OS MISTÉRIOS DA MÍDIA


Os mistérios da mídia


“Embora a mídia de massa não opere em segredo, sua estrutura e suas operações internas continuam um mistério para a maioria do público. E a sua influência não pode ser subestimada” (Jim Marrs, O Governo Secreto, editora Madras, 2005, página 113)

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

Durante o ano de 1998, na administração Clinton, nos EUA, ninguém poderia imaginar que tecnologia nuclear estivesse sendo repassada à China por ordem do presidente, e também o fato de Clinton assinar ordens executivas questionáveis, como a extensão da zona internacional ao longo da fronteira sul dos EUA, por mais 240 quilômetros. A mídia de massa desviou a atenção desses fatos para os escândalos sexuais de Clinton com Mônica Levinsky.

Muitas pessoas reclamam que os principais veículos da mídia são superficiais, conformistas e subjetivos na seleção das notícias. Uma recente pesquisa (1) demonstrou que 60% dos entrevistados acreditam que as notícias apresentadas pela mídia são injustas e inexatas, e uma outra, conduzida pela publicação industrial Editor & Publisher, revelou que os próprios jornalistas não discordam disso e que a cobertura da mídia é superficial e inadequada.

Segundo os críticos, o propósito da mídia de massa não é o de mostrar as coisas como elas são, mas mostrá-las como os donos da mídia querem que elas sejam. Parenti escreveu que o principal papel da imprensa é “recriar continuamente uma visão da realidade que apóie o poder da classe econômica e social existente” (1). Essa perspectiva distorcida pode ser vista nos termos usados nas histórias referentes às “disputas trabalhistas” – nunca se usa o termo “disputas de administração’”. Parenti chamou a atenção para o fato de que a administração sempre faz “ofertas”, enquanto os trabalhadores fazem “exigências”.

O poder da mídia é impressionante. Um estudo realizado em 1994 pela Veronis, Shuler e Associates revelou que o típico americano passa mais de 4 horas por dia assistindo televisão, 3 horas ouvindo rádio, 48 minutos ouvindo música gravada, 28 minutos lendo jornais, 17 minutos lendo livros e 14 minutos lendo revistas.
A consolidação do poder da mídia corporativa que cria esses produtos de consumo de tempo acelerou-se tremendamente na década de 1990. Em 1982, 50 corporações controlavam a maior parte da mídia de massa nos EUA. Em janeiro de 1990, esse número havia diminuído para apenas 23 e no final de 1997, as corporações eram apenas 10.

Os principais bancos possuem uma significativa quantidade de ações no número sempre decrescente das corporações de mídia, que por sua vez são controladas pelos membros das sociedades secretas. Por meio de uma elite de formação de políticas (2), como o Conselho de Relações Exteriores (CFR) e a Távola Redonda dos Negócios (3), eles conduzem o navio do Estado em uma direção que consideram ser financeiramente vantajosa. GE, CapCities, CBS, New York Times e Washington Post, todos têm membros que participam do CFR. Pouca coisa mudou nos dias de hoje. Uma espiada superficial na edição de 1998 de Standart and Poor’s Corporation Records, revelou que vários membros do CFR e da Comissão Trilateral fazem parte da diretoria das maiores corporações da mídia (4).

A propriedade corporativa aliada aos membros das sociedades secretas, muitos dos quais estão empregados na mídia, pode explicar porque as reuniões dos Bilderberg (5), da Comissão Trilateral (6) e do CFR (7) não são anunciadas pela “vigilante” mídia americana. De fato, as listas dos membros dessas sociedades são um “quem é quem” da mídia de massa.

Existem as organizações de “vigilantes da mídia”, como a Accuracy in Media (AIM) (8) e muitas pessoas supõem que esses grupos trabalham pelos interesses do público. Michael Collins Piper não concorda com essa suposição. Em 1990, ele revelou que o fundador da AIM, Reed Irvine (9), recebia 37 mil dólares por ano como “conselheiro para a divisão de finanças internacionais” do Sistema do Banco Central. Observando que muitos membros do FED também pertencem a sociedades secretas, Piper escreveu: 
“Até hoje, Irvine e a AIM nunca abordaram nenhum assunto que seja sensível aos interesses do stablishment internacional: seja o grupo Bilderberg, 
a Comissão Trilateral, o Conselho de Relações Exteriores ou a verdade a respeito do controle privado do Banco Central”.

Existem também pontos sensíveis no que diz respeito ao fluxo de informações, como a chefia internacional do escritório central da Associated Press em New York, em que uma pessoa decide quais as notícias de fora dos EUA que serão divulgadas. É importante entender que o controle real da mídia de massa não é um controle direto exercido sobre centenas de esforçados diretores, repórteres e editores por todo o país, mas sobre a distribuição das informações, sendo importante assinalar que existe uma tremenda pressão criada pela necessidade da segurança no emprego e o receio da perda de fontes, pois muitos colunistas nacionais contam com fontes internas para apresentar informações importantes. Uma boa parte dessas informações vem de fontes do governo, que secariam se a história errada fosse publicada. Mesmo os repórteres nacionais mais audazes precisam se conter, se desejam manter seus informantes internos.

O sempre concentrado controle da mídia, exercido pelas corporações, significa que a objetividade nas notícias há muito entendida como um serviço público, é atirada pela janela em favor de lucros baseados em classificações. O veterano jornalista Walter Cronkite afirmou que a situação atual do jornalismo de televisão é “desastrosa e perigosa” e depreciou os “lucros insensatos para satisfazer os acionistas. Ao exigirem um lucro semelhante à área de entretenimento, eles estão nos levando para o abismo”.

A mídia vigilante da América, como ela gosta de se definir, parece mais um cachorrinho de estimação dos donos de corporações. Isso pode explicar porque seis das dez “histórias mais censuradas” (10) de 1985, como determinado pelo serviço de notícias Alternet, envolviam relatos a respeito de negócios como a monopolização das telecomunicações, a situação cada vez pior do trabalho infantil, o aumento dos gastos do governo com armas nucleares, as fraudes da indústria médica, a batalha da indústria química para subverter as leis ambientais e as promessas quebradas do Acordo de Livre Comércio Norte-Americano (NAFTA). Tais histórias não alcançaram o grande público porque “qualquer pessoa que questione o mantra reinante da ortodoxia econômica, será severamente disciplinada pela imprensa e pelos interesses internacionais” (11).

É especialmente intrigante o fato de que nenhum dos principais segmentos da “mídia vigilante” da América tenha demonstrado interesse em determinar quem são os donos das corporações que controlam a mídia e a própria nação. Uma explicação para essa falta de zelo investigativo pode ser encontrada na história de um pesquisador da NBC-TV que, em 1990, entrou em contato com Tood Putnam (12), editor do National Boycott News. Esse pesquisador estava interessado no“maior boicote acontecido no momento” . Putnam respondeu: “O maior boicote do país é contra a General Eletric”. O membro da equipe da NBC imediatamente retrucou: “Não podemos anunciar esse... Bem, nós poderíamos anunciá-lo, mas não o faremos”. Em 1986, a NBC havia sido comprada pela General Eletric.

Observa-se, finalmente, que não há dúvida sobre a existência das sociedades secretas nos dias de hoje. A existência de grupos como a Comissão Trilateral, o Conselho de Relações Exteriores e os Bilderberg está bem documentada. A única questão diz respeito à extensão de seu controle e manipulação dos acontecimentos mundiais mais importantes. Da mesma forma, não há dúvidas de que os membros dessas sociedades exercem um controle excessivo sobre muitas das maiores corporações e bancos do mundo. Essas corporações, por sua vez, controlam minerais essenciais, energia, transporte, produtos farmacêuticos, agricultura, telecomunicações e entretenimento. Em outras palavras, os elementos básicos da vida moderna. Elas também fornecem membros para os círculos internos do governo e esses membros, com freqüência, implementam as políticas concebidas e desejadas por essas sociedades, que exercem uma considerável influência sobre as eleições e a política nacional e parecem estranhamente imunes a quaisquer investigações, seja do governo, seja da mídia de massa.

Reunindo todos esses fatos, eles sugerem que o objetivo geral dessas sociedades modernas é estabelecer um governo mundial com controle social centralizado e perda da soberania nacional, objetivo que parece cada vez mais próximo da realidade, principalmente através do crescente aumento do controle corporativo e financeiro sobre os governos e as economias.

A dominação do mundo tem sido o objetivo dos homens desde antes de Alexandre, o Grande. Por que, então, há tanto segredo envolvendo esse assunto nos dias de hoje? Uma coisa está absolutamente clara: é evidente que a globalização, ou o governo mundial, ou a Nova Ordem Mundial, não está apenas na imaginação dos autores que escrevem acerca das conspirações ou dos paranóicos, mas é o objetivo articulado de fraternidades, organizações e grupos secretos, todos eles trazendo as marcas da Maçonaria, Távolas Redondas e Illuminati. Para compreender o mundo ao nosso redor, devemos estudar todas as evidências, se desejamos evitar tanto a paranóia destrutiva quanto a fé ingênua e sem base.

Essas sociedades remontam diretamente às antigas organizações secretas, formando uma cadeia de conspiração por toda a História e parecem estar seguindo um plano formulado e articulado há muitos anos. Esse plano foi levado adiante pelos membros “iluminados” do Instituto Real para Assuntos Internacionais, do Conselho das Relações Exteriores, da Comissão Trilateral e de inúmeras fundações e consórcios de empresas. Sua irmandade incestuosa também faz amplo uso das agências secretas da Inteligência, tanto na Grã-Bretanha quanto nos EUA, para promover seus planos.

Tudo isso incita várias perguntas: Se o CFR, a Comissão Trilateral e os Bilderberg são constituídos apenas por pessoas inocentes e bem intencionadas, trabalhando por um mundo pacífico e próspero, como alegam, então por que todo esse segredo? Por que a existência de todas essas organizações de fachada, às vezes antíteses umas das outras? Por que elas desconfiam da atenção do público, uma vez que toda atividade justificável e honrada deve ser capaz de suportar a luz do dia?

O texto acima é um resumo das páginas 113 a 120 do livro de Jim Marrs, O Governo Secreto, editora Madras, 2005

NOTAS:
1. Michael Parenti, Inventing Reality: The Politics of the Massa Media, New York, St. Martin’s Press, 1986, p.23
2. Martin A. Lee e Norman Solomon, Unreliable Sources, New York, 1990, Carol Publishing Group, p. 82
3. John Coleman, Conspirators’Hierarchy: The History of the Committee of 300 , Carson City, NV: America West Publishers, 1992, p.153
4. Administração de.Arquivos e Registros Nacionais; Standart and Poor’s Register of Corporations, Directors and Executives, 1991, Relatório Anual 1991/1992, Conselho de Relações Exteriores, New York.
9. Michael Collins Paper, Watchdog Won’t Bite, The Spotligth, 7 de maio de 1990, p.35
10. Editors, “Unfit to Print”, Utne Reader, julho/agosto de 1996, p.32
11. William Greider, One Woeld, Ready or Not, New York, Simon & Schuster, 1997, p.472


Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

Fonte:http://www.alertatotal.net/2014/09/os-misterios-da-midia.html

Postagens mais visitadas deste blog

SAIBA QUAIS AS 10 FORÇAS ARMADAS MAIS PODEROSAS DO MUNDO - BRASIL ESTÁ EM DÉCIMO QUINTO LUGAR

CRISE FINANCEIRA NO BRASIL : UM MILHÃO DE FAMÍLIAS ENTRARÃO PARA AS CLASSES "D" E "E" ATÉ 20025

PARALIMPÍADA CEREBRA UNIÃO E CONSAGRA CAPACIDADE DO BRASIL