COM PEDIDO DE AUDITORIA,TUCANOS MOSTRAM CLIMA DE REVANCHE E APOSTAM NO TERCEIRO TURNO




Com pedido de auditoria, tucanos mostram clima de revanche e apostam no terceiro turno.



Política Tucanos e aliados rejeitam diálogo e apostam no 3º turno. A informação é do site Último Segundo, do portal iG. A reportagem destaca que, assim que foi confirmada a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), lideranças do PSDB e de partidos aliados rechaçam qualquer possibilidade de diálogo com o Executivo e já atuam para fustigar o governo provocando um terceiro turno das eleições presidenciais.

Os tucanos pediram ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) uma auditoria na votação dosegundo turno, onde Dilma recebeu 54,5 milhões (51,64%) de votos contra 51 milhões de votos (48,36%) de Aécio Neves"Esse clima de revanche, de terceiro turno, é pernicioso e faz muito mal à democracia", critica o cientista político e diretor acadêmico da Fundação Escola de Sociologia e Política do Estado de São PauloAldo Fornazieri, que se diz favorável às investigações da Petrobras e, inclusive, coma a instalação de uma CPI que investigue a estatal na próxima legislatura. Para Fornazieri, no entanto, ao adotar a postura de pedir uma auditoria da votação do segundo turno, "os tucanos mostram que estão ressentidos com o resultado da eleição e sugerem à sociedade que o processo eleitoral está sob suspeita. Isso abala a legitimidade da democracia". 

No documento em que solicitam a auditoria da votação, os tucanos afagam o TSE ao mesmo tempo em que colocam em xeque a lisura do processo eleitoral. "Temos absoluta confiança de que o Tribunal Superior Eleitoral cumpriu seu papel, garantindo a segurança do processo eleitoral. Todavia, com a introdução do voto eletrônico, as formas de fiscalização, auditagem dos sistemas de captação dos votos e de totalização têm se mostrado ineficientes para tranquilizar os eleitores quanto a não intervenção de terceiros nos sistemas informatizados", informa o texto assinado pelo Diretório Nacional do PSDB.

Para o estudioso da PUC-SP"um grupo pequeno, mas barulhento da oposição" está patrocinando um movimento para fustigar o governo, mas Arruda defende que ele não seria consensual dentro do PSDB, já que "ao mesmo tempo em que o senador Aloysio Nunes nega dialogar com o governo, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin acena com entendimentos com o governo federal para tentar resolver a crise de abastecimento de água". Já o professor de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), David Fleischer avalia que "o terceiro turno já começou no Congresso Nacional, sem um período de lua de mel entre o governo e o Legislativo".

Para Fleischer, no entanto, a ideia de terceiro turno capitaneada pelo PSDB, com uma proposta de impeachment de Dilma "é uma visão extremamente exagerada", tese também defendida por Pedro Arruda. O cientista político da PUC afirma que, do ponto de vista legal, não há fato que possa interromper o mandato de Dilma Rousseff. Isso porque, segundo sua interpretação, "o próprio advogado do doleiro Alberto Yousseff negou que seu cliente tenha citado a presidente e seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva". O professor de Ciência Política da UnB, coloca outro protagonista no terceiro turno: o PMDB. E explica: "O presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) acusa o PT de patrocinar sua derrota na disputa ao governo do Rio Grande do Norte e agora vai atuar para que a agenda de pauta da Casa trabalhe contra o Planalto. Maior prova disso foi ele [Alves] ter agendado a votação dos conselhos populares, com PT, PCdoB e PSOL acuados e com o PMDB e a oposição votando contra", lembra o professor.

Fleischer prevê que o governo terá ainda mais uma derrota com a Medida Provisória (MP) de autoria do Executivo que transfere ao Planalto a indicação do novosuperintendente da Polícia Federal, que hoje é feita pelo Ministério da Justiça. O professor da UnB diz que as dificuldades vão aumentar ainda mais. Isso porque o PMDB deve indicar o deputado Eduardo Cunha (ferrenho adversário de Dilma) à sucessão de Alves. "Será necessário que Dilma tenha um jogo de cintura muito grande com esse novo Congresso. Ela nunca foi boa de diálogo e precisará de um ministro de Relações Institucionais muito forte e com autonomia para evitar ainda mais desgaste", comenta.

Ligado ao senador Aécio Neves, o deputado federal reeleito Marcus Pestana (PSDB-MG) classifica a iniciativa tucana de rever a votação do segundo turno como "uma auditoria. Não tem nada disso [de terceiro turno ou de impeachment]". Já o deputado Afonso Florence (PT-BA), suplente da CPMI da Petrobras, crava que “o que estamos vivendo é uma tentativa de terceiro turno”. Em reação à campanha tucana, o petista protocolou convites aos senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Álvaro Dias (PSDB-PR), por exemplo, no intuito de apurar o envolvimento do ex-presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra (falecido neste ano), numa suposta tentativa de abafamento da CPMI da Petrobras.

deputado federal reeleito Jean Wyllis (PSOL) classificou como "golpismo" a iniciativa tucana que, nas palavras dele, "é uma tentativa de desestabilizar o governo". Provocado se o PSDB não estaria forçando um terceiro turno, o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antonio Imbassahy reage: “O PSDB só está em sintonia com os 50 milhões de eleitores de Aécio Neves”. Já o secretário nacional de organização do PT, Florisvaldo Souza, entende que com a estratégia do terceiro turno "o PSDB mostra que ainda não assimilou o resultado do processo eleitoral" e classificou a tentativa de auditar a votação do segundo turno como uma "trapalhada".

Fortalecimento tucano - O parlamentar Marcus Pestana destaca que seu partido não tem interesse em prolongar o processo eleitoral porque o PSDB saiu fortalecido da eleição e virá ainda mais forte na sucessão municipal de 2016 e na presidencial em 2018. "O PSDB saiu fortalecido e animado do processo eleitoral. O PSDB se reinventou, ganhou mais coragem para enfrentar a propaganda petista, passou a valorizar mais o governo Fernando Henrique Cardoso, se encontrou com as ruas. Fizemos eventos com Aécio que reuniram 30 mil, 40 mil pessoas", enumera. Ainda que negue a tese do terceiro turno, Pestana admite: as eleições seguem nas redes sociais ainda hoje e essa mobilização tem feito com que milhares de jovens em todo o Brasil procurem o partido para se filiar.

Curta o Momento Verdadeiro no Facebook e Twitter e receba as últimas notícias.

Prorrogando a CPI - Em outro movimento comandado pelos tucanos no âmbito da CPMI da Petrobras, entre os 476 requerimentos em tramitação, se destacam convites para que tanto a presidente reeleita quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sejam chamados a depor. Os mesmos foram protocolados pelo deputado Izalci Lucas (PSDB-DF).

O líder dos tucanos na Câmara, Antônio Imbassahy informou que seu partido já conversa com deputados eleitos para abrir uma nova CPI da Petrobras na próxima legislatura que será empossada em fevereiro. “Vamos criar um banco de dados a partir da investigação atual e avançar porque as denúncias de corrupção são muito graves”. O tucano argumenta que o próprio procurador-geral da República, Rodrigo Janot,classificou as denúncias como “devastadoras” e que esse argumento é suficiente para dar continuidade à apuração. Quanto ao pedido de diálogo proposto por Dilma, logo no primeiro discurso depois de reeleita, Antônio Imbassahy relatou que o PSDB capitaneou uma reunião com os partidos da oposição (DEM, PPS, SDD) na última terça-feira (28) e classificou a oferta de Dilma como “uma cilada, uma armadilha”.

Outra estratégia dos tucanos é apresentar uma candidatura alternativa à presidência da Câmara. De acordo com Imbasssahy, “o País não aceita que o vice-presidente Michel Temer faça uma reunião com a presidente Dilma e saia de lá dizendo que o presidente da Câmara será fulano e do Senado será sicrano”. O líder tucano na Câmara estima que os partidos de oposição tenham um nome ainda neste mês. Júlio Delgado (PSB-MG), que já concorreu à vaga, é um dos favoritos.

Fonte: Ultimo Minuto/iG


Postagens mais visitadas deste blog

CRISE FINANCEIRA NO BRASIL : UM MILHÃO DE FAMÍLIAS ENTRARÃO PARA AS CLASSES "D" E "E" ATÉ 20025

SAIBA QUAIS AS 10 FORÇAS ARMADAS MAIS PODEROSAS DO MUNDO - BRASIL ESTÁ EM DÉCIMO QUINTO LUGAR

PARALIMPÍADA CEREBRA UNIÃO E CONSAGRA CAPACIDADE DO BRASIL