LULA E FHC ENSAIAM APROXIMAÇÃO.O INIMIGO AGORA É OUTRO

Lula e FHC ensaiam aproximação. 

O inimigo agora é outro


 Deve ser acompanhada com atenção a noticiada (e já negada e já confirmada) tentativa de aproximação entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. A depender dos desdobramentos de um possível encontro, esta pode ser, noves fora o desfecho policial da Operação Lava Jato, a notícia mais interessante do mundo político em muito tempo.
Não se trata de uma aproximação entre PT e PSDB, mas de um aceno de suas maiores figuras em direção a um cessar-fogo que jamais foi procurado. O cálculo tem, obviamente, um fundamento de oportunidade política: tanto no PT quanto no PSDB há grupos interessados em barrar o fortalecimento do grupo do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Este fortalecimento não interessa aos colegas de partido que vislumbram disputar a Presidência em 2018. Daí a aceno de Lula ao também ex-presidenciável José Serra (PSDB-SP) – aquele cuja esposa disse a uma eleitora em 2010 que Dilma Rousseff, defensora da ideia de tratar a questão do aborto como uma questão de saúde pública, “mataria crianças” caso eleita. Mais ou menos na órbita do Planalto, o governador paulista, Geraldo Alckmin, tem pregado moderação ao falar sobre impeachment, embora tenha elevado o tom contra o governo na convenção tucana que reconduziu Aécio Neves à presidência da legenda.
Ao PT, que durante anos agrediu com a mesma fúria com que foi e agora é agredido, interessa a pacificação do ambiente político por um motivo óbvio: a palavra impeachment não tem hora para sair da boca de eleitores e inimigos, e a ala moderada tucana pouco ou nada parece fazer para conter a hostilidade do grupo do senador mineiro contra um governo na lona. Hoje tucanos como Aécio Neves e Carlos Sampaio, líder da sigla na Câmara, estão mais próximos do extremo do DEM, Ronaldo Caiado à frente, do que da ala moderada da legenda. O cálculo é radicalizar agora ou nunca.
Ao ver a virulência e o palanque dado a essa virulência em recortes de jornais e carros de som, Lula deve sentir saudade do tempo em que batia boca publicamente com FHC. Este, a cada crítica ao governo Lula, era prontamente desautorizado pelo sucessor. Toda vez que FHC dizia que faltava projeto de nação aos adversários, Lula respondia, em tom de deboche, que ex-presidente era igual a peito de homem: não serve pra nada. Portanto, deveria ficar calado. Hoje Lula, ex-presidente que não poupa pitaco ao governo da sucessora, quer ouvir o que o antecessor tem a dizer. Pudera. Perto da hostilidade de Aécio, e das rasteiras de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os bate-bocas entre Lula e FHC ficam parecendo guerra de almofadas.
Uma pergunta, no entanto, fica no ar. Que Serra (e, presume-se, Alckmin), tenham interesse em frear o ímpeto de Aécio parece lógico. Mas e FHC? Que interesse teria em colaborar a essa altura do campeonato?
Em entrevista recente, o ex-presidente tucano dava pistas a quem hoje busca resposta a essa questão. A preocupação dele, dizia, não era ganhar esta ou a próxima eleição e fazer sucessores para povoar o mundo. Sua preocupação era a História. E se amanhã os historiadores quiserem entender por que os ex-presidentes levaram tanto tempo para estenderem as mãos, a resposta estará antes na vaidade que os move do que nos projetos que os distinguem.
De fiador do processo de estabilização econômica e, consequentemente, democrática do Brasil após a reabertura – o primeiro eleito pelo povo a receber e entregar ao sucessor a faixa presidencial desde Juscelino Kubitschek – no primeiro mandato, FHC virou espantalho desde o fim melancólico de um segundo governo turbulento, marcado por escândalos em superintendências, privatizações contestadas e desajustes econômicos sob a sombra da suspeita da compra de votos para aprovar a emenda da reeleição, a mudança combinada mas não muito no câmbio e a pecha de “estelionatário eleitoral”.
A desidratação biográfica de FHC sempre serviu de munição a Lula e o PT. Em um dos debates contra Alckmin, em 2006, Lula chegou a franzir e levar as mãos à testa para, em tom de ironia, procurar o ex-presidente na plateia: “Engraçado, não estou vendo o Fernando Henrique aqui”. Depois, quando começaram a chover prêmios de doutor honoris causa ao ex-metalúrgico, este e seus apoiadores não perdiam a chance de debochar do antecessor: o príncipe dos sociólogos, que pouco ou nada contribuiu para a expansão da universidade pública no país, deveria estar se moendo, provocavam.
O peso histórico de FHC dentro do PSDB sempre foi levado em conta, mas ele jamais escondeu o ressentimento por ter sido, em ao menos duas eleições presidenciais, camuflado para não atrapalhar o candidato do partido à Presidência. Também jamais se conformou pela ausência de deferência com que era tratado pelos adversários. Esta ausência era parte de uma narrativa, costurada por anos de marketing político, segundo a qual a demonização de um partido, mais parecido entre eles do que gostariam seus apoiadores, é condição para o fortalecimento do adversário.
Na última eleição o apego a esta narrativa beirou o ridículo. Falou-se mais em fantasmas e riscos de retrocesso do que em soluções e avanços, num copia-e-cola mal feito do filme “A Vila”, do qual já falamos neste espaço.
Nessa brincadeira que durante anos beirou a irresponsabilidade, Dilma sugeriu ao vivo e em TV aberta que Aécio Neves, já com chances reais de tirá-la da Presidência, dirigia bêbado. Em eleição vale qualquer coisa, justificavam os que aplaudiram o golpe baixo. O resultado é que Aécio nunca engoliu a pedrada, a eleição jamais terminou, hoje tucanos desafiam a lógica e a própria história ao deixarem passar no Congresso o fim do fator previdenciário e da reeleição, duas invenções tucanas, apenas para estender o incêndio contra o governo no Congresso.
Não se sabe como e se de fato haverá encontro entre Lula e FHC, cujas biografias, em suas respectivas crises políticas, se tornaram objeto de um duro revisionismo histórico.
FHC teve o seu antes mesmo do fim do segundo mandato. Lula, de presidente mais aclamado da história, corre o risco de ser lembrado como o líder político que permitiu a instalação de larápios na maior empresa do Brasil para obter fontes de recursos ao próprio partido e aliados.
Ambos têm a chance agora de serem lembrados como as duas maiores referências dos dois maiores partidos do país que deixaram as picuinhas de lado para, num gesto de espírito público e grandeza, desativaram juntos uma bomba que os levaria a morrer abraçados. A conferir.

Foto: Ricardo Stuckert/PR

Fonte:https://br.noticias.yahoo.com/blogs/matheus-pichonelli/lula-e-fhc-ensaiam-aproximacao-o-inimigo-agora-e-132621440.html

Postagens mais visitadas deste blog

CRISE FINANCEIRA NO BRASIL : UM MILHÃO DE FAMÍLIAS ENTRARÃO PARA AS CLASSES "D" E "E" ATÉ 20025

PARALIMPÍADA CEREBRA UNIÃO E CONSAGRA CAPACIDADE DO BRASIL

SAIBA QUAIS AS 10 FORÇAS ARMADAS MAIS PODEROSAS DO MUNDO - BRASIL ESTÁ EM DÉCIMO QUINTO LUGAR