Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2016

POR QUE A CORRUPÇÃO VICIA,DÁ PRAZER E É TÃO TOLERADA ?

Imagem
Por que a corrupção vicia e dá prazer?Bernardo Barbosa
Do UOL, em São Paulo 25/04/2016

Como uma droga, a corrupção vicia e dá prazer, e o "tratamento" possível -- a punição -- não garante que o problema será resolvido, segundo profissionais de psicanálise, psiquiatria e ciência política, que se debruçam sobre a questão. "A sensação de poder tudo é muito excitante, produz o maior barato que existe. Imagine um orgasmo que durasse para sempre", diz a psicanalista Marion Minerbo, da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo. "Essa sensação maravilhosa vicia, quer dizer, ela pode se tornar necessária para a manutenção do equilíbrio psíquico dessas pessoas. Se perderem esse barato, ou mesmo se se sentirem ameaçadas de perder esse barato, podem se deprimir seriamente ou surtar." A sensação de poder tudo é muito excitante, produz o maior barato que existe. Imagine um orgasmo que durasse para sempre Marion Minerbo Para o psiquiatra Fernando Portela, da Associação …

ANÁLISE - TER 'PRESIDENTA' FEZ DIFERENÇA PARA AS MULHERES NO BRASIL

Imagem
Análise - Ter 'presidenta' fez diferença para as mulheres?
Em 2010, quando Dilma Rousseff assumiu a Presidência como a primeira representante feminina no posto mais importante do país, a expectativa das mulheres era grande. Esperava-se que a ex-ministra da Casa Civil pudesse ser a voz que elas não tinham em Brasília - já que, no Congresso, a participação feminina beirava os 10%. Cinco anos e meio depois, Dilma se despediu do Planalto ao menos temporariamente e deixou um legado que, para ativistas e cientistas políticas, "foi bom, mas poderia ter sido melhor". Especialistas ouvidas pela BBC Brasil citaram principalmente avanços na questão do combate à violência doméstica, da representatividade na política e da independência financeira da mulher. As maiores críticas ficaram por conta de dois temas polêmicos: os direitos reprodutivos e a questão da diversidade sexual. Já o recém-iniciado governo do presidente interino, Michel Temer, começou sob protestos pela escolha de um mi…

REVELAÇÃO DE 'PLANO MAQUIAVÉLICO' PARA IMPEACHMENT ABALA CREDIBILIDADE DE GOVERNO TEMER,DIZ 'GUARDIAN'

Imagem
Image copyrightREUTERSImage captionPara jornais britânicos, saída de Jucá abala governo TemerRevelação de 'plano maquiavélico' para impeachment abala credibilidade de governo, diz 'Guardian' O jornal britânico The Guardian afirmou que a queda do ministro Romero Jucá e a revelação de uma "trama maquiavélica" para derrubar o governo Dilma Rousseff abalaram a credibilidade do governo de Michel Temer. "A credibilidade do governo interino foi abalada na segunda-feira quando um ministro foi forçado a se afastar em meio a revelações sobre a trama maquiávelica para levar ao impeachment da presidente Dilma Rousseff". O ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), se afastou na segunda-feira após a Folha de S.Paulo divulgar áudios em que ele diz que a mudança de governo poderia "estancar a sangria" da Lava Jato. Leia também: Pressão sobre STF e outras possíveis consequências das gravações envolvendo JucáO Guardian diz que "as motivações dúbias …

UMA SEMANA APÓS DILMA SER AFASTADA,BOLSA AFUNDA E DÓLAR DISPARA;O QUE DEU ERRADO ?

Imagem
<img class="Maw(100%)" src="https://s.yimg.com/ny/api/res/1.2/J2SnN6Muxt.54x9r7yrZgg--/YXBwaWQ9aGlnaGxhbmRlcjtzbT0xO3c9ODAw/http://media.zenfs.com/en/homerun/feed_manager_auto_publish_494/d0390c64a6210cb290f623f99938de07"/>
Uma semana após Dilma ser afastada, Bolsa afunda e dólar dispara; o que deu errado? InfoMoney 19 de maio de 2016
O mercado financeiro parecia desejar compulsivamente a saída da presidente Dilma Rousseff, reagindo euforicamente a cada notícia negativa para o governo dela. No entanto, passada uma semana do afastamento, o Ibovespa já caiu 6% e o dólar se valorizou 5% ante o real. Levando os investidores a se perguntarem: o que deu errado? O mercado não gostou do presidente interino Michel Temer? Os ministérios foram mal escolhidos? A economia estava pior do que se imaginava antes?  Para uma série de analistas, gestores e economistas entrevistados pelo InfoMoney, as razões vão além do cenário político e chegam até sinalizações pouc…